Chá de cozinha ou de panela já era, agora é Chá de lingerie – Aposta de noivas antenadas, evento pode ter personal sex e até aulas de striptease

maio 25th, 2011

O tradicional chá de cozinha – ou de panela -, evento no qual as noivas reúnem amigas, mãe, avós, tias e irmãs para comemorar o fim da solteirice, está dividindo espaço no gosto da mulherada com um novo tema pré-casamento: o chá de lingerie.

Saem os baldes, colheres de pau e uma infinidade de itens para cozinha, e entram os conjuntos de calcinhas e sutiãs sensuais, camisolas, baby dolls, cintas-liga e outros brinquedinhos para apimentar as noites dos futuros noivos. Sim, porque, nesse caso, o noivo agradece e é um dos maiores entusiastas da novidade.

O chá de lingerie funciona mais ou menos como seu primo mais recatado, o chá de panela. Geralmente, são as amigas ou irmãs na noiva quem oferecem a festinha. A noiva vai até uma loja ou acessa um site de lingeries e faz uma lista com os mimos que gostaria de ganhar.

Para ajudar na organização, já existem várias empresas e lojas de sex shop especializadas no assunto. Daiany Nagao, proprietária do Chá de Lingerie desde 2004 (www.chadelingerie.com.br), um dos primeiros sites voltados para o segmento, afirma que essa é uma tendência que cresce a cada dia e que veio para ficar.

– Quando lancei o site, a procura era muito tímida. As mulheres não conheciam, não sabiam o que era um chá de lingerie. Achavam que teriam de ficar nuas na frente das amigas. Hoje, a situação é bem diferente. Elas preferem comemorar a data com uma festa bem divertida.

O site oferece, além das lingeries, uma equipe treinada para levar a diversão até o evento, como conta Daiany.

– Levamos os “brinquedinhos”, a música, elaboramos brincadeiras, fazemos os convites, levamos copos e pratos com temas eróticos, buffet e até uma personal sex, que vai dar dicas sensuais para a mulherada.

Os pacotes vão de R$ 550 até R$1,2 mil para o mais completo, que inclui a personal e aulas de striptease. Já as lingeries custam a partir de R$ 45 e podem ser compradas em cotas.

– Quando a peça é um pouco cara, as amigas podem se reunir e comprar juntas, até completar o seu valor total.

A supervisora de vendas Simone Araújo, que subiu ao altar em 2008, lembra muito bem de seu chá de lingerie. Ela conta que também teve um chá de cozinha, organizado por familiares, mas que a brincadeira com as amigas em meio a desfiles de camisolas e brincadeiras com produtos eróticos foi inesquecível.

– Minhas amigas agitaram tudo. Alugaram a suíte vip de um motel e levaram todas as lingeries, doces em formatos eróticos, brinquedos e acessórios. Desfilei com as peças que elas levaram e, ao final, simularam uma cerimônia de casamento da qual meu marido acabou participando, para a minha surpresa.

Quebrar o tabu que ainda impera entre a maioria das pessoas, de que a sensualidade está diretamente ligada a um corpo escultural, magro e sarado, é um desafio para quem trabalha nessa área.

Cláudia Quintanilha, sócia-proprietária da Josephine Baker (www.josephinebaker.com.br), uma sex shop para lá de diferente em São Paulo, garante que toda mulher pode ser sensual. Por isso, sua loja faz questão de oferecer produtos para clientes de todos os tipos: magras, acima do peso, alta ou baixa. Vendem sensualidade. Talvez por isso, a procura pelos eventos de chás de lingeries tem aumentado a casa mês – o que está obrigando as sócias a pensarem em uma maneira de aumentar a loja.

– Como trabalhamos com lingeries até o tamanho 54, as mulheres sentem-se mais confiantes. Além disso, procuramos sempre oferecer peças sensuais, nada que beire a vulgaridade. Temos até as fantasias, como as de coelhinhas, melindrosas e policiais. Tudo de bom gosto.

A loja organiza chás de lingerie no próprio espaço ou na casa das clientes. Nesse caso, Cláudia e sua sócia vão munidas com praticamente todos os itens da loja. E a noiva ainda ganha de brinde um cosmético sensual, que pode ser um óleo de massagem que esquenta em contato com o corpo, ou um gel lubrificante com sabor de chocolate ou morango com champanhe. Duas horas e meia de palestra e diversão custa em média R$ 500.

– Na ocasião, mostramos e explicamos como funciona e para que serve cada um dos acessórios e cosméticos. As mulheres adoram, inclusive as mais velhas, como mães, tias e avós. É diversão garantida. E nada de vulgaridade ou brincadeiras de mau gosto. Não queremos que a noiva pague mico.

Para completar o pacote, Cláudia também conta com os serviços de gogo boys e da consultora sensual e personal sex Flávia Flohr (www.babydollscursos.com.br). Em cerca de uma hora e meia de participação nos chás de lingeries, Flávia, que se considera uma palestrante motivacional na área da sensualidade, ensina os segredos da sedução, dá dicas de como se sentir sexy, além de organizar jogos e brincadeiras.

– Toda a mulher pode ser sensual. Basta saber acessar sua sensualidade interior de forma natural e feminina. Mas eu não vendo a ideia de que a mulher pode e deve ser sexy 100% do seu tempo. Mulheres são mais do que isso. As minhas palestras são para as mulheres reais, aquelas que são mães, profissionais, amigas, esposas. Eu mostro que elas podem seduzir quando quiserem e tiverem vontade.

Entre as dicas, que são mostradas em forma de brincadeiras, Flávia ensina como levar o parceiro à loucura com uma massagem sensual, como fazer um striptease ou, ainda, como usar e abusar dos cosméticos e acessórios.

A boa notícia, principalmente para quem já casou e teve o seu tradicional chá de cozinha, é que todo esse serviço pode ser contratado para outro tipo de evento. Segundo Cláudia, é muito comum amigas se reunirem em uma tarde sábado e chamá-la para apresentar as novidades da Josephine. Como aqueles encontros da Tupperware organizados pelas nossas mães e avós. Que tal um chá da tarde diferente? É só chamar as amigas. Elas vão adorar.

Fonte: R7

Leave a Reply